Displasias cemento-ósseas

A displasia cemento-óssea é uma lesão fibro-óssea não neoplásica que ocorre no rebordo alveolar, afetando principalmente mulheres adultas ou idosas. A doença é classificada segundo grau de comprometimento do osso afetado, apresentando-se em três tipos: cemento-óssea focal, cemento-óssea periapical e cemento-óssea florida. A denominação “focal” é utilizada quando a lesão é isolada (Figura A); o tipo “periapical”, quando há múltiplas lesões na região anterior de mandíbula; ficando a terminologia “florida” restrito aos casos em que há envolvimento amplo de outras regiões dos ossos maxilares (Figura B). É importante destacar que todas essas formas clínicas são variantes de um mesmo processo. Uma característica importante dessas lesões é a sua restrição ao osso alveolar. Em exames radiográficos, verifica-se que, inicialmente, a lesão se apresenta radiolúcida, com bordas bem definidas, mas, gradativamente, se torna radiopaca com perda de definição dos seus limites. Destaca-se, ainda, que em pacientes edêntulos, a perda óssea alveolar vertical não é acompanhada de reabsorção da lesão, o que pode ocasionar o desenvolvimento de osteomielite secundária. É comum, principalmente nas formas clínicas com múltiplas lesões, este ser o motivo da consulta. Em exame histológico, as variantes de displasia óssea podem assemelhar-se ao fibroma ossificante. Enquanto a primeira lesão não é encapsulada, apresentando múltiplos fragmentos com aparência “arenosa”  (Figura C) na fase inicial; a segunda exibe delimitação clara do osso adjacente, presença de cápsula fibrosa e um ou poucos fragmentos após a sua remoção. De modo geral, o diagnóstico da displasia é feito mediante dados clínicos e radiográficos, não sendo necessária a biópsia. Entretanto, as lesões iniciais com imagem radiolúcida podem ser confundidas com outros cistos ou tumores odontogênicos e serem eventualmente submetidas à biópsia para definição do diagnóstico final.

Figura A: Imagem da displasia cemento-óssea focal exibindo lesão única na região dos pré-molares inferiores esquerdo.
 

Figura B: Imagem característica da displasia cemento-óssea florida ou multifocal, exibindo várias lesões radiolúcidas/radiopacas distribuídas pelo osso alveolar.
 

Figura C: Aspecto "arenoso" ou "pedregoso" encontrado no acesso cirúrgico de um paciente com displasia óssea.
 

 

Prof. Ricardo Santiago Gomez
- Professor Titular de Estomatologia e de Patologia Bucal da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais.
- Coordenador do Laboratório de Patologia Molecular da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais.

Orientador no Programa de Pós-Graduação em Medicina Molecular da UFMG

Orientador no  Programa de Pós-Graduação em Odontologia da UFMG

Link para o Currículo Lattes:

https://lattes.cnpq.br/5760422122697584

Trabalhos indexados no PUBMED

Contato

Prof. Ricardo Santiago Gomez - Professor Titular de Estomatologia e de Patologia Bucal da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais.
- Coordenador do Laboratório de Patologia Molecular da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais.
curso.estomatologia.ricardogomez@gmail.com